Patrimônio Histórico

Imagem de São Sebastião

A figura de São Sebastião tem uma relação intima com a história de Andradas. No ano de 1845, foi erguida uma capela que foi consagrada a São Sebastião. Para isso escolheram um terreno coberto por extenso samambaial, o qual era de propriedade de Cândido José Mendes e sua mulher Plácida Joaquina dos Reis. Esse casal doou um alqueire de suas terras para a construção da capela destinada ao Santo. Segundo a tradição oral, pela quantidade de samambaias existentes na região, o primeiro nome do tal povoado foi de Samambaia. Em seguida, passa-se a chamar-se São Sebastião do Pirapetinga e, finalmente, São Sebastião do Jaguari. Daí, a partir dos diversos nomes que Andradas já possuiu, podemos perceber a estreita relação que a cidade possui com o santo. Na Igreja Matriz de São Sebastião, no centro de Andradas, se localiza a Imagem de São Sebastião, que foi tombada como bem móvel pelo município no ano de 2007. Recentemente, a imagem passou por uma restauração e recebeu um altar para sua proteção e exposição ao público. Essa proteção contribuirá para a sua melhor conservação e preservação, pois a imagem de São Sebastião que é do ano de 1903, é  um  importante patrimônio histórico do município que representa um das mais importantes, já que a imagem e a devoção ao Mártir São Sebastião remontam ao início da ocupação do atual território de Andradas. 


 

Adega Izidro

A cidade de Andradas possui como uma de suas principais particularidades a sua produção de uvas e de vinho, o que fez com que os vinhos produzidos no município serem conhecidos nacionalmente e internacionalmente. O município ainda ostenta o título de maior produtora de vinho do Estado de Minas Gerais, além é claro, de um dos maiores do Brasil. A adega Izidro representa o auge da produção de vinhos em Andradas, que foi entre as décadas de 60 e 80. Tal vinícola foi inaugurada em 1959, seguindo os padrões e técnicas de produção do Vinho tipo Madeira, empresa  proveniente da Ilha da Madeira (uma ilha que é território de Portugal, mas que se localiza no oceano Atlântico).  Andradas foi o local no Brasil escolhido pela empresa portuguesa por reunir todas as características que possibilitariam um vinho com a qualidade do produzido na Ilha da Madeira. A arquitetura do prédio possui  grande influência portuguesa, sendo que tal.  O prédio foi tombado pelo Decreto nº 1628, de 19 de outubro de 2015, sendo localizada na Rua Prefeito Antônio Gonçalves, 1030 – no bairro Sóvis. Devido a sucessivas crises financeiras, a empresa foi vendida para a Piagentini (de Caxias do Sul–RS) no começo da década de 80.  Reconhecer e salvaguardar a memória da indústria vitivinicultura andradense é, antes de tudo, preservar viva todo o contexto histórico de milhares de pessoas que fizeram suas vidas nos parreirais e nas adegas, contribuindo para o sucesso dessa atividade econômica e para o crescimento do município.  Além de tudo, esse esforço  que visa valorizar e preservar a história das vinícolas é de suma importância para a cidade, pois a sua conservação e valorização é a força motriz para a conservação da  memória coletiva da cidade e de seus cidadãos. Valorizar as raízes é criar identidade e pertencimento de todas as pessoas envolvidas, aguçando o senso crítico e o exercício da cidadania.


Casa de Joana Selma

A casa está localizada na rua Capitão Cirilo, 510, bem no coração da cidade. A arquitetura da cidade é no estilo eclético, com estilos arquitetônicos sincretizados. Tal arquitetura era bastante comum nas casas mineiras na época da Primeira República, pois fora construída quando a cidade ainda se chamava Vila do Caracol. A casa foi tombada como patrimônio municipal. O imóvel foi tombado pelo Decreto nº 760, de 13 de abril de 2007. 

 

 


Transparência


Prefeitura Municipal de Andradas

Praça 22 de Fevereiro, s/nº, Centro. CEP: 37795-000 | Andradas - MG

(35) 3739-2000

Atendimento ao público de segunda à sexta das 12h às 18h.


Abrir Menu
X